Connect with us

Internacional

Covid-19: infectados podem gerar anticorpos permanentes, diz estudo

Estudo foi publicado na revista Nature

Publicado há

em

Estudo publicado na revista Nature revelou, pela primeira vez, que pessoas que contraíram a doença de forma ligeira ou moderada desenvolvem uma célula imunológica capaz de produzir anticorpos contra o SARS-CoV-2 para o resto da vida.

Uma das observações em pessoas infectadas pelo SARS-CoV-2 mostra que o nível de anticorpos – proteínas capazes de impedir o vírus de infectar as células – começa a diminuir após quatro meses. O importante é perceber se, apesar da queda de anticorpos, o doente desenvolveu também uma resposta imunológica completa, que inclui a criação de glóbulos brancos capazes de eliminar o vírus, muitos meses e até anos após a primeira infecção. 

Vários estudos têm indicado que as pessoas que passam pela infecção e aquelas que são vacinadas geram uma resposta celular imune que as protege de reinfecções.

O estudo publicado pela Nature traz boas notícias. Os especialistas analisaram 77 doentes que tiveram a doença de forma ligeira ou moderada (grupo sobre o qual existiam dúvidas). Na maioria, eles notaram que os anticorpos diminuem acentuadamente após quatro meses, mas a redução é mais lenta e essas moléculas ainda estão presentes no sangue 11 meses após a doença. O estudo foi o primeiro a analisar a presença de células plasmáticas de longa vida na medula óssea.

As células plasmáticas são geradas quando um patógeno entra no organismo. No caso da covid-19 é, por exemplo, a proteína S que o vírus usa para infectar as células humanas.

Após a infecção, essas células imunes viajam pela medula óssea, onde permanecem em estado latente. Se o vírus reaparecer, as células regressam à corrente sanguínea e começam novamente a produzir anticorpos. O estudo mostra que a grande maioria dos doentes que conseguiram recolher amostras de medula óssea – 15 de 18 – gerou células plasmáticas no sistema imunológico.

Ali Ellebedy, imunologista da Escola de Medicina da Universidade de Washington e pesquisador principal do estudo, destaca, em declarações ao jornal espanhol El País: “As células plasmáticas podem durar a vida inteira. Essas células vão continuar e produzir anticorpos para sempre”.

Anticorpos e imunidade

A presença de anticorpos nem sempre significa que a pessoa está “imune” à reinfecção, embora seja provável que isso aconteça.

Ellebedy esclarece que se os anticorpos produzidos por células de longa vida não forem suficientes, o sistema imunológico ativa as células B de memória, capazes de produzir ainda mais anticorpos.

Esse estudo encontrou esses tipos de células em doentes, uma descoberta que é consistente com estudos anteriores que sugerem que a imunidade contra o SARS-CoV- 2, mediada por diferentes tipos de linfócitos e células do sistema imunológico, provavelmente dura anos.

O mesmo ocorre com outras infecções. Os anticorpos e células de memória contra o SARS, um coronavírus que provocou a morte de pelo menos 800 pessoas no início da última década, duram pelo menos 17 anos. Com a varíola, mais de 50 anos após a vacinação, as pessoas retêm células B capazes de produzir anticorpos se o vírus reaparecer no organismo.

“Essas células continuarão a produzir anticorpos eternamente”, acrescenta Ali Ellebedy ao jornal.

Uma das questões que se coloca é se esse tipo de célula do sistema imunológico é capaz de neutralizar as novas variantes que têm surgido. “Tudo depende de quanto muda a sequência genética do vírus”, afirma Ellebedy.

Estudos anteriores mostraram que o sistema imunológico dos infectados e vacinados neutraliza suavemente as variantes mais graves detectadas até agora. Existem alguns tipos de anticorpos que não conseguem neutralizar o vírus, mas o sistema imunológico nunca aposta tudo numa jogada e produz anticorpos contra muitas proteínas diferentes do vírus e das células de memória com as mesmas capacidades, de modo que é muito difícil que a variante escape a todas e, sobretudo, faça alguém adoecer, a ponto de causar graves problemas de saúde ou até a morte.

“É razoável que esse tipo de célula forneça imunidade vitalícia”, afirmou Manel Juan, chefe do serviço de Imunologia do Hospital Clinic em Barcelona.

“Essas células de longa vida são uma ajuda na imunidade contra outras doenças por muitos anos”, acrescenta.

Terceira dose

Uma das questões que se coloca é apurar se uma terceira dose da vacina será realmente necessária, conforme propõem as farmacêuticas. “Para mim está claro que não é necessário, assim como não seria necessário vacinar quem já teve a doença”, explicou Manel Juan.

África González e Marcos López-Hoyos, da Sociedade espanhola de Imunologia consideram ser “muito cedo para pensar em terceira dose”.

“É bem provável que a proteção pela doença ou pela vacina seja para toda a vida, embora seja algo que terá que ser analisado”, explicou López-Hoyos.

Para o imunologista, “é necessário estar muito atento ao que acontece com as pessoas mais velhas e com doenças de base. Em todo caso, pensamos que a necessidade de uma terceira dose não é tanta quanto dizem os CEOs da Pfizer e Moderna. Em qualquer caso, a primeira coisa é vacinar toda a população pela primeira dose. Estudos como esses mostram que a imunização gerada pela infecção é mais protetora do que se pensava”.

“O sistema imunológico gera células de curta, média e longa duração em resposta a uma infecção”, afirma África González, imunologista da Universidade de Vigo.

Segundo a especialista, “traduzidas em vacinas, existem algumas que fornecem proteção apenas temporárias para anticorpos humorais, por cerca de seis meses. São eles que carregam os carboidratos de bactérias e não ativam os linfócitos T”.

“Outras vacinas induzem respostas celulares e humorais que se mantêm por alguns anos, como a do tétano, que é recomendada de dez em dez anos. Com outras não é necessário vacinar mais, depois das três doses recebidas na infância”, conclui.

Informações Com Agência Brasil

Pastor, Político, Pró-Vida, Pró-Família, Empreendedor, Comunicador, Presidente Fundador da Igreja Cenáculo - Ministério Nova Vida em Jesus, Presidente da Associação Brasileira de Ministros Evangélicos -ABRASME.ORG, foi Presidente do Partido Avante gestão 2018/2019, Presidente Municipal do Partido AGIR 36 gestão 2020/2023. Nas Eleições 2020, foi Candidato a Vice-Prefeito pelo antigo pela cidade de Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, Paraná.

Continue Lendo
Clique e Comente

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Internacional

Grupo cristão elogia o presidente Biden por ‘enfrentar’ a Turquia ao reconhecer o genocídio armênio

Published

on

Um grupo cristão sediado nos Estados Unidos elogiou o presidente Joe Biden por “enfrentar” a Turquia e se tornar o primeiro presidente desde Ronald Reagan a reconhecer o genocídio armênio de 1915 no sábado, o 106º aniversário de quando o Império Otomano (a Turquia moderna) começou a massacrar sua minoria cristã armênia, resultando em 1,5 milhão de mortes.

Leia a matéria completa no Christian Post

Continue Lendo

Internacional

Marido e pai de 7 filhos, canadense agora se identifica como criança de 6 anos transgênero chamada Stefonknee

Published

on

Antes, e por muito tempo, era um homem conhecido como Paul, de 52 anos, casado e pai de sete filhos. Agora, é Stefonknee, uma menina de 6 anos que vive com um “papai” e uma “mamãe” adotivos.

Stefonknee percebeu que não era Paulo quando tinha 46. Nessa altura, Paul já se vestia como menininha e ficava pintando livros de colorir. Tanto seus filhos como sua mulher criticavam o comportamento, e foi quando ele decidiu fugir.

Acompanhe o Pastor Anderson no Facebook:

Em um vídeo, onde se emociona, Stefonknee diz: “eu não posso negar que fui casado, ou que tive filhos. Mas agora eu segui em frente e voltei a ser criança”, em uma transição que aparentemente distorceu o espaço-tempo.

Stefonknee continua: “Agora eu tenho um papai e uma mamãe. Seus filhos e seus netinhos me apoiam”. Mas não aceitaram completamente, no início. Inicialmente, Paul decidiu que Stefonknee teria 8 anos, mas após a adoção, o casal de idosos pediu que a menininha regredisse aos 6 anos, e assim poderia ser a caçula.

Stefonknee volta a ser Paul pra limpar as ruas quando estão cobertas de neve, e assim fatura uma grana, que dá pro casal de idosos pagar as contas da casa. Quando volta, é Stefonknee, e fica fazendo “coisas de criança” junto com as netinhas desse casal.

Paul decidiu fugir quando sua mulher disse: “pare de ser trans, ou vá embora”. Então, agora Stefonknee, foi embora. “Seria como pedir pra eu parar de ter a altura que tenho”, disse a criancinha. Mas quando se trata de mudar a idade, não tem problema.

A família cortou o contato, e os filhos pediam que Paul parasse de agir como agia. Uma das filhas convidou Stefonknee pro seu casamento, desde que se vestisse como homem, se apresentasse como Paul e não falasse com ninguém. Stefonknee tentou se matar.

Depois encontrou sua nova família adotiva, onde agora passa o dia colorindo livros de colorir.

Fonte: Daily Mail

Continue Lendo

Internacional

Crianças com síndrome de Down alvo de aborto no Reino Unido

Published

on

Mãe conta histórias de terror do NHS sobre intensa pressão para rescindir

A ativista política Heidi Crowter processou o Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido por permitir o aborto de bebês até o nascimento, caso sejam diagnosticados com síndrome de Down.

Crowter, uma mulher com síndrome de Down, levará seu caso ao Tribunal Superior do Reino Unido, relata o Instituto Cristão .

Junto com sua colega de campanha, Máire Lea-Wilson, ela diz que as leis do Reino Unido discriminam pessoas como ela, permitindo que sejam mortas. 

“A lei atual é injusta. Faz-me sentir que não deveria existir e que estaria melhor morta aos olhos da lei “, disse ela ao The Telegraph.

“A política basicamente diz que é normal que um bebê com síndrome de Down seja interrompido até o nascimento.”

Nicola Enoch, que ajuda a liderar a Positive sobre a síndrome de Down e os curadores The Ups of Downs , disse ao The Christian Post que o NHS pressiona as mulheres a abortar crianças como seu filho, Tom, que tem síndrome de Down.

“Ele é completamente não discriminatório. Ele leva as coisas como são. Ele não o julga pelas roupas que veste ou pelo carro que dirige. Ele diz olá para as pessoas com quem ninguém fala e incentiva os outros a fazerem o mesmo ”, disse ela à CP. “Seu tutor disse que ele é uma lufada de ar fresco.”

O NHS, financiado pelo governo do Reino Unido, usa testes pré-natais para descobrir se um bebê tem síndrome de Down, disse Enoch. Em seguida, enquadra o bebê como um desastre para a mãe.

“São as mensagens subliminares que nem percebemos. O tom da conversa ”, disse ela. “Esse tom de ‘sinto muito’ e ‘este bebê deve ser evitado’”.

Pesquisa realizada pela Positive about Down syndrome mostrou que ao receber a notícia do NHS de que seu bebê tinha síndrome de Down, 69% das mulheres grávidas foram imediatamente oferecidas um aborto. Se eles dissessem não, os funcionários do NHS perguntariam novamente. E de novo. Uma mulher foi questionada 15 vezes, informou a BBC .

Muitas mulheres contam histórias para Nicole sobre a pressão do NHS para acabar com a vida de seus bebês.

“Foi um resultado de grande chance. A parteira me disse: ‘Sua única opção é encerrar’ ”, disse uma mãe.

“’É positivo para síndrome de Down’, disse a enfermeira. ‘É sexta-feira, vamos fechar em breve, você tem 20 minutos para decidir se quer fazer o aborto ou não’ ”, lembrou outro.

“Na 37ª semana de gravidez, quando fui induzida na manhã seguinte, disseram-me que ainda tinha opções de ter ou não meu filho. Se ela nascesse sem respirar ou lutando para respirar, eles estavam dispostos a não ajudar meu bebê. Eles estavam dispostos a simplesmente deixá-la ”, disse uma terceira mulher.

Enoch disse que as mulheres não deveriam suportar a cultura do NHS que pressiona as mulheres a abortar seus bebês.

“É mais barato encerrar do que a criança viver”, disse ela. “Crianças com Downs requerem apoio extra. Cada criança que conheço na educação requer apoio adicional. Alguns requerem suporte médico extra. As pessoas se irritam com isso, mas é eugenia ”.

Conforme a tecnologia melhora, os testes para a síndrome de Down ficam melhores, disse Enoch. Embora a tecnologia moderna tenha proporcionado às pessoas com síndrome de Down uma vida melhor de várias maneiras, também torna mais fácil matá-las antes de nascerem.

“As melhorias no processo de triagem levaram a uma diminuição no número de nascimentos com síndrome de Down devido a uma alta taxa de interrupções”, diz um relatório do NHS .

Enoch ama seu filho, Tom, mas disse que ela provavelmente teria sido pressionada a abortá-lo se o tivesse testado para síndrome de Down. Quando descobriram que Tom tinha síndrome de Down, os médicos consideraram o novo bebê um erro.

“Não parecia mais ‘meu bebê’. Não há absolutamente nada de errado com o Tom. Foram as atitudes de todos que estavam erradas ”, disse ela.

Com Tom no colégio, as pessoas ainda perguntam a Enoch se ela fez um teste de síndrome de Down durante a gravidez.

“Se eles parassem e pensassem, o que estão inferindo é: ‘se você parasse, talvez ele não estivesse aqui’”, disse ela.

Tom ensinou a Enoch que criar um filho com síndrome de Down exige o mesmo autossacrifício que criar qualquer filho exige.

“Eu vim das profundezas do desespero para um lugar muito melhor que nunca teria estado sem Tom. Eu sempre estive no meio da estrada, e agora estou mais alto. Parenting significa ajustar e aceitar. É disso que tratam os relacionamentos. Ser pai de uma criança com síndrome de Down é como ser pai de qualquer outra criança. Você os ama ”, disse ela.

Para salvar a vida de crianças como seu filho, Enoch apóia a campanha de Crowter para processar o governo britânico por discriminação porque permite o aborto de bebês com deficiência até o nascimento. Eles ainda procuram arrecadar $ 47.354.

Fonte: https://www.christianpost.com/

Continue Lendo

Trending